27 de abr de 2009

Tenho Medo

Tenho medo,
da vida,
da espera,
do encontro,
adquele tin-don do relógio
que me faz sentir saudade
de alguém que não sei quem,
ou até sei e não quero aceitar,
não quero sentir saudade,
não quero amar
com medo de não ser amada.
Tenho medo.

Não saberia não amar você

Eu te amo.
Apenas amo como se fosse o último do mundo,
Amar você assim
não é normal
nem é real.
Parece que flutuo em plumas
se te vejo,
se te toco,
se te beijo.
Ando num mundo subliminar,
com anjos e harpas,
estrelas cintilantes,
e até nuvens com formatos que só nós conseguimos enxergar.
Você é presente divino,
Que só DEUS consegue explicar.

17 de abr de 2009

Sem palavras

Fico aqui,
sem inspiração.
Tentando escrever
o que estou sentindo,
mas as palavras me fogem,
as idéias me alucinam,
e o amor eu sinto,
mas daqui nada sai "pro papel".
Com você eu fico assim
meio atordoada,
pensando nossos momentos,
lembrando nossos beijos,
desejando nossas emoções.
E sem você,
eu até conseguiria escrever versos por essas páginas,
mas saíriam apenas palavras de solidão, saudade ou tristeza.
Assim sendo,
assino essa carta alegando
que desejo ficar sem inspiração,
e sem escerever,
e prefiro ficar com você.

A falta que você me faz

Não sei mais...
não sei como procurar-te,
nem como olhar em seus olhos e dizer "Je t'aime".
As ruas se entristecem
se você não passa,
trazendo seu brilho natural,
cantando nosso refrão
e sorrindo a alegria de uma bela noite de luar.